Robôs líquidos que funcionam continuamente sem eletricidade

Robôs líquidos que funcionam continuamente sem eletricidade

Imagine a utilização de robôs líquidos microscópicos percorrendo seu corpo buscando aniquilar qualquer doença que comece a se manifestar. Pois, isso pode estar muito mais próximo de acontecer do que pensamos.

Nos últimos 20 anos, a nanotecnologia ultrapassou a barreira da possibilidade e hoje torna-se cada vez mais uma realidade concreta.

Cientistas do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, do Departamento de Energia e da UMass Amherst desenvolveram robôs líquidos que funcionam sem interrupção.

Além disso, eles podem operar de maneira autônoma e sem a necessidade de eletricidade, utilizando química para controlar a flutuabilidade de cada robô.

Portanto, a novidade neste feito não é a modernidade líquida que esta tecnologia apresenta, uma vez que robôs líquidos já foram apresentados anteriormente.

A possibilidade dessas microscópicas máquinas funcionarem de maneira autônoma e sem a necessidade de entradas elétricas é o que torna esta criação incrível.

Até então, robôs líquidos só poderia realizar uma única função ou precisavam de energia elétrica para funcionar continuamente.

É incrível pensarmos nas possibilidades ao saber que estes robôs líquidos podem realizar várias tarefas ao mesmo tempo.

De acordo com o que os cientistas comunicaram à imprensa, alguns destes robôs podem detectar os vários tipos de gazes no ambiente. Outro podem até mesmo reagir a determinadas substâncias.

Estas maravilhas tecnológicas conseguem formar sistemas robóticos de funcionam de maneira contínua e independente.

Estes sistemas podem ser utilizados para examinar amostras químicas e também para descobrir e compor novas drogas farmacológicas.

Os próximos passos dos pesquisadores tendem a rumar a uma investigação para escalar sua tecnologia criando assim sistemas maiores.

Enquanto isso, eles seguem explorando como ela se comporta em superfícies sólidas.

O futuro da medicina começa a virar a esquina e dentro de muito pouco tempo, poderemos ter robôs dentro de nosso organismo para evitar que fiquemos doentes. Isso abre um cenário infinito de aplicações para estes nanorrobôs operarem.

Explorer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *